TPM não é licença pra pecar.

julho 16, 2017


Impaciência, irritabilidade, ansiedade, crise de choro, tristeza, raiva, depressão, ânsia por alimentos ricos em carboidratos, desatenção, acne, edema, hipersensibilidade emocional... São muitos os sinais e sintomas que aparecem, geralmente, de sete a 10 dias antes da menstruação e aliviam com o início do fluxo menstrual. Um martírio periódico (como algumas pessoas definem) que interfere no desempenho das atividades rotineiras, na qualidade de vida, nas relações familiares e sociais.

A Tensão Pré Menstrual (TPM) é real. Há quem cometa crime e refere ter havido influência da TPM. Já ouvi até que a TPM foi usada como atenuante para crimes violentos e acidentes. Mas, como cristãs, como pessoas que foram regeneradas e que estão no processo de santificação, a TPM não pode ser uma licença para pecar.

Precisamos encarar essa fase, compreendê-la e, com a graça de Deus, não agir de maneira pecaminosa. Precisamos avaliar nosso caráter. Conhecendo nossas fraquezas, podemos trabalhar nelas, já que nessa fase elas se tornarão bem piores. Para isso, é importante também entender nosso ciclo menstrual. Tem aplicativos bem simples que ajudam a ver quais serão os dias mais vulneráveis.

Uma vida saudável também auxilia nesse período. O que fazemos com nosso corpo é importante! Tanto a idolatria quanto o desleixo são maus. Essa vontade de sair comendo doces, chocolates ou qualquer outra coisa sem controle é pecado. Glutonaria é pecado! Pode até ser socialmente aceito, mas é pecado. É o querer dominando o que é necessário. É a falta de satisfação. Não esqueçamos o que está escrito em Gêneses 3 (o pecado ali foi a insatisfação). Confesso que essa é uma área muito problemática pra mim.

Vale muita a pena organizar, planejar os horários, a rotina, a casa, a vida. Uma vida organizada ajuda em tudo. É bom adquirirmos o hábito de sermos mais disciplinadas. Disciplinadas também com os exames de saúde periódicos. Jamais devemos dispensar ajuda médica quando for necessário.

E, como membros do corpo de Cristo, é válido pedir ajuda a alguém que seja próximo, que conviva conosco e nos mostre quando estamos “alteradas”. Sim, vamos pedir para que façam o que está em Mateus 18. 15-18, em Efésios 6.1. Isso é para nosso bem.

Vamos estimular umas as outras para que tenhamos uma vida devocional. Vamos ter uma vida de oração! Vamos ler a Palavra! Deus sempre dá a graça necessária para enfrentar qualquer coisa. Tratemos pecado como pecado. Não usemos nada para justificar um ato errado contra um Deus Santo. Vamos investir nas disciplinas espirituais, para estarmos armadas de forma apropriada, firmes, em qualquer momento (Efésios 6.13-18 - essa é a arma que Deus nos oferece).

Não esqueçamos o fruto do Espírito (Galátas 6. 22-23: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio). Esse fruto deve ser demonstrado em todas (TODAS) as fases da vida de uma mulher que nasceu de novo, que nasceu do Espírito. Não precisamos e nem podemos reagir nessa fase da mesma maneira que as mulheres não regeneradas (Efésios 4. 17-32; 5. 1-2). 

Apesar de sabermos que, pelo sacrifício de Cristo, temos o perdão dos pecados da TPM do passado, do presente e até dos pecados das próximas TPMs, não podemos banalizar isso, pecando de forma consciente, sem arrependimento, achando normal algumas atitudes pecaminosas nesse período, colocando a culpa nos hormônios ou em qualquer outra coisa. Se estivermos nessa linha de pensamento permissiva, vivendo deliberadamente em pecado (Hebreus 10.26), se confiando que no final tudo vai dar certo, precisamos questionar nosso conceito de salvação. Desse jeito, é bem provável que não tenhamos tido a verdadeira experiência da conversão a Cristo. Não vamos viver um autoengano (Tiago 1. 26).

Assumamos nossa responsabilidade. Vamos nos conscientizar que, diferente da regeneração e da justificação, no processo de santificação nossas obras são importantes. Embora seja Deus quem opera em nós segundo a Sua vontade, Ele nos chama para andar em obediência e a desenvolver a salvação com temor e tremor (Filipenses 2. 12-13). Ele nos ordena a lutar, orar, velar, nos esforçar, a trabalhar. E isso é por meio da graça. A graça de Deus nos dá o poder necessário para vivermos no Espírito. Capacitando-nos a fazer o que Deus nos ordena.

A graça é de graça pra nós, mas Cristo foi crucificado por isso. 

Vamos nos lembrar disso no próximo mês?! Que Deus nos ajude.

Por Adelaine de Sousa

Nenhum comentário:

Seu comentário precisa ser aprovado.

Tecnologia do Blogger.